PUBLICIDADE

QUEBRA

sábado, 30 de setembro de 2017

O Dilúvio e a destruição de Sodoma e Gomorra



O Dilúvio e a destruição de Sodoma e Gomorra

O Dilúvio e a destruição de Sodoma e Gomorra
O Dilúvio e a destruição de Sodoma e Gomorra
Muitos neoateus questionam o caráter bondoso e misericordioso de Deus por Ele ter destruído a humanidade no dilúvio. As críticas são as mesmas em relação a destruição de Sodoma e Gomorra. De fato, até mesmo muitos crentes não conseguem entender essas atitudes de Deus. Afinal, se Deus é amor (1Jo 4:8), por que Ele fez isso? Vamos ver, então, se Deus foi injusto nestas ocasiões.
Dilúvio.

No dilúvio, Deus exterminou toda a Sua criação (mas salvou Noé, sua família, e alguns animais, a fim de perpetuarem a espécie após a catástrofe):

"E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente. Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra [leia sobre o arrependimento divino aqui] e pesou-lhe em seu coração. E disse o Senhor: Destruirei o homem que criei de sobre a face da terra, desde o homem até ao animal, até ao réptil, e até à ave dos céus; porque me arrependo de os haver feito. Noé, porém, achou graça aos olhos do Senhor… Noé era homem justo e perfeito em suas gerações; Noé andava com Deus. […] A terra, porém, estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência.

E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra. Então disse Deus a Noé: O fim de toda a carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência; e eis que os desfarei com a terra. […] Porque eis que eu trago um dilúvio de águas sobre a terra, para desfazer toda a carne em que há espírito de vida debaixo dos céus; tudo o que há na terra expirará. Mas contigo estabelecerei a minha aliança; e entrarás na arca, tu e os teus filhos, tua mulher e as mulheres de teus filhos contigo. E de tudo o que vive, de toda a carne, dois de cada espécie, farás entrar na arca, para os conservar vivos contigo; macho e fêmea serão." (Gênesis 6:5-9, 11-13, 17-19)

O texto é tão claro que dispensa muitos comentários. É evidente que Deus destruiu a todos no dilúvio por causa do pecado da humanidade, que havia tomado proporções tão grandes a ponto de Deus ficar imensamente triste e de coração pesado. Ele teve de executar a Sua justiça sobre a Terra. De fato, Deus é amor, mas também é justiça.
Sodoma e Gomorra.

A ocasião em que Deus decide destruir Sodoma e Gomorra é especialmente interessante. Ao saber dos planos do Senhor, Abraão, respeitosamente, questionou a razoabilidade daquela ação:

"E se houver cinquenta justos na cidade? Ainda a destruirás e não pouparás o lugar por amor aos cinquenta justos que nele estão? Longe de ti fazer tal coisa: matar o justo com o ímpio, tratando o justo e o ímpio da mesma maneira. Longe de ti! Não agirá com justiça o Juiz de toda a terra?’ Respondeu o Senhor: 'Se eu encontrar cinquenta justos em Sodoma, pouparei a cidade toda por amor a eles’. Ainda assim pergunto: 'E se faltarem cinco para completar os cinquenta justos? Destruirás a cidade por causa dos cinco?’ Disse ele: ‘Se encontrar ali quarenta e cinco, não a destruirei'.

E se encontrares apenas quarenta?’, insistiu Abraão. Ele respondeu: ‘Por amor aos quarenta não a destruirei'. Então continuou ele: 'Não te ires, Senhor, mas permite-me falar. E se apenas trinta forem encontrados ali?’ Ele respondeu: 'Se encontrar trinta, não a destruirei’. Prosseguiu Abraão: 'Agora que já fui tão ousado falando ao Senhor, pergunto: ‘E se apenas vinte forem encontrados ali?’ Ele respondeu: ‘Por amor aos vinte não a destruirei'. Então Abraão disse ainda: ‘Não te ires, Senhor, mas permite-me falar só mais uma vez. E se apenas dez forem encontrados?' Ele respondeu: 'Por amor aos dez não a destruirei". (Gênesis 18:24-32)

Mas infelizmente o número de justos era menor que dez! Então Deus teve que destruir aquelas cidades (Gênesis 19:24), pois as acusações contra elas eram muitas (Gênesis 19:13). Somente se salvaram Ló e suas duas filhas (Gênesis 19:15). O que muitos não percebem é que isso foi, na verdade, um ato de misericórdia divina, pois numerosos viajantes incautos passavam por essas cidades e eram simplesmente estuprados pelos homossexuais daquelas cidades (Gênesis 19:4-5). Destruindo Sodoma e Gomorra, Deus impediu que mais crianças crescessem naquele meio abominável, aprendendo a repetir os mesmos erros; assim, Ele também impediu que outros estrangeiros fossem violentados.

Outra coisa muito importante que devemos levar em conta é que Deus nunca entrega uma pessoa ou um povo à desgraça sem antes ter avisado, e avisado muito, na esperança de que ele se converta:

"O Senhor, o Deus dos seus antepassados, advertiu-os várias vezes por meio de seus mensageiros, pois ele tinha compaixão de seu povo e do lugar de sua habitação. Mas eles zombaram dos mensageiros de Deus, desprezaram as palavra dele e expuseram ao ridículo os seus profetas, até que a ira do Senhor se levantou contra o seu povo, e já não houve remédio." (2 Crônicas 36:15-16) 

Deus agiu assim não somente com o Seu povo (Israel), mas também com gentios. Tomemos como exemplo o livro de Jonas. Deus enviou este profeta a Nínive para anunciar que esta cidade seria destruída se o povo não se convertesse de seus maus caminhos. Felizmente eles se converteram e Deus não os destruiu.

De fato, a Bíblia ensina que Deus quer que todos se convertam de seus pecados e vivam:

"Teria eu algum prazer na morte do ímpios?, palavra do Soberano Senhor. Pelo contrários, acaso não me agrada vê-lo desviar-se dos seus caminhos e viver? Pois não me agrada a morte de ninguém; palavra do Soberano Senhor Deus. Arrependam-se e vivam! [...] Juro pela minha vida, palavra do Soberano Senhor, que não tenho prazer na morte dos ímpios, antes tenho prazer em que eles se desviem dos seus caminhos e vivam..." (Ezequiel 18:23, 32; 33:11); "O Senhor... é paciente com vocês, não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento." (2 Pedro 3:9)

Com isso, aprendemos que o desejo de Deus é a conversão de todas as Suas criaturas, mas quando elas não se convertem, Ele inevitavelmente executa a Sua justiça. (Defendendo a Fé Cristã)



Participe! Deixe seu comentário sobre este post