PUBLICIDADE

QUEBRA

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Pensamentos da Última ceia: A verdadeira Diferença Entre Pedro e Judas

Pensamentos da Última ceia: A verdadeira Diferença Entre Pedro e Judas
Pensamentos da Última ceia: A verdadeira Diferença Entre Pedro e Judas
De todos os homens e mulheres do mundo, Jesus escolheu especificamente doze pessoas para serem Seus amigos mais próximos, confidentes, discípulos, seguidores. Como todos nós, eles eram pecadores imperfeitos. Dos doze, nenhum deles é mais pecaminoso que dois: Simão Pedro e Judas Iscariotes. No entanto, dois homens não podem ser mais diferentes em seus papéis finais na Igreja primitiva e sua reputação hoje.
Examinando cuidadosamente a Paixão de Cristo, Simão Pedro e Judas Iscariotes agem de forma similar. As ações dos dois são paralelizadas até um ponto crítico. É nesse ponto que se junta sua reputação como traidor de Cristo, enquanto a outra reforma sua vida, passando a ser conhecida como um dos servos mais fiéis de Jesus, completa com igrejas com o nome dele, livros escritos sobre ele e inúmeras crianças portadoras o nome dele.

Quem são esses homens, e o que os torna tão parecidos e ainda tão diferentes?

Simon era um pescador, irmão de André, filho de Jonas, morando em Cafarnaum com sua esposa e sogra. Seu irmão, André, apresenta Simon a Jesus, e depois de pouco tempo, Simon desiste de tudo o que sabe pra seguir a Cristo. Ele é imprudente, ousado e às vezes, bastante incerto em suas ações, mas ele é firmemente fiel a Jesus e sabe que Ele é o Messias. Jesus lhe dá um novo nome, Pedro, e dá-lhe as chaves do reino dos céus ( Mateus 16: 16-20 ).


Pedro é muitas vezes detido com Jesus, e ele fala para os outros discípulos como seu líder. Claramente, Simon Pedro tem um papel especial entre os doze, mas talvez seu papel de liderança o tenha sentido como um estranho para o resto dos doze.
Judas não era da Galileia ao contrário do resto dos doze. Seu nome Iscariote sugere que ele era de Judá. Nenhum evangelho nos diz como Jesus o chamou para segui-lo, mas o Evangelho de João observa que ele também teve um papel especial nos doze: ele carregou a bolsa de dinheiro ( 12: 6 ). Para mim, Judas também parece e retoso, ousado e, por vezes, bastante incerto em suas ações, mas ele deve ter algum tipo de fé em Jesus para segui-Lo ao longo de seus anos de ministério. Talvez seu lugar de origem o tenha feito sentir como um estranho para o resto dos doze.

Por todos os meios e medidas, esses dois homens, antes da crucificação e da morte de Jesus, parecem ter muitas das mesmas circunstâncias ou experiências semelhantes que os levariam a ter fé em Jesus. Se nada mais, eles experimentaram em primeira mão os vários milagres de Cristo, ouviram os sábios ensinamentos e puderam experimentá-Lo muito pessoalmente.

No entanto, ambos traem Jesus.

Judas Iscariotes vende informações sobre Jesus para as pessoas que o querem morto. Ele trouxe os principais sacerdotes e fariseus a Jesus, apontando-o entre os discípulos, traindo-o a eles. ( Mateus 26:47 ; Marcos 14:43 ; Lucas 22:47 ; João 18: 3 ). Simon Peter também trai Jesus. Embora ele siga Jesus após a sua prisão, ele fica a uma distância no pátio. Ele distancia-se tanto de Jesus quanto de seus amigos mais próximos, os outros apóstolos de Cristo, quando nega conhecer tanto Cristo quanto os discípulos. ( Mateus 26: 58-75 ; Marcos 14: 54-72 ; Lucas 22: 54-62 ; João 18: 15-27 ).

É difícil olhar para as histórias de Judas e Pedro. É doloroso pensar que duas das mesmas pessoas que seguiram Jesus, o conheceram intimamente, experimentaram-no na carne dia após dia poderiam trair-lo. Seria tolo pensar que não somos capazes do mesmo. Judas e Pedro, obviamente, ambos pecaram. Você e eu pecamos ambos. E apesar de pecar de maneiras que não sejam óbvias para o mundo, nosso pecado é sempre óbvio para o Senhor.

Assim como é tolo pensar que nós mesmos não somos capazes de pecar ao mesmo grau que Judas e Pedro, é tolo pensar que Jesus não conhece nossos corações, especialmente os lugares em nossos corações onde desconfiamos, desesperamos, duvidamos, e de outra forma trair Jesus.

Jesus sabia que Judas e Pedro o trairiam.

Jesus conheceu o coração de Judas. João observa na Alimentação de 5000 que "Jesus sabia desde o início os que não acreditariam e aquele que o traria" ( João 6:65 ). Além disso, anuncia na refeição da Páscoa que alguém o trairá ( Mateus 26: 24-25 ; Marcos 14: 18-21 , Lucas 22: 21-23 , João 13: 21-30 ).
Pedro professa na frente dos outros discípulos na Última Ceia que ele de bom grado morreria por Jesus. Mas Jesus conheceu o coração de Pedro. Ele predica que Pedro o negará três vezes ( Mateus 26: 30-35 ; Marcos 14: 26-31 ; Lucas 22: 31-34 ; João 13: 33-38 ).

No mesmo sentido, Jesus sabe que vamos pecar. Talvez não seja tão dramático e específico quanto os Evangelhos descrevem as previsões de Jesus para Judas e Pedro, mas Jesus sabe em algum momento, vamos falhar.

Mas nós sempre temos uma escolha. Judas escolheu trair Jesus por dinheiro. Pedro escolheu negar a Jesus por segurança e segurança. Eles de modo algum tiveram que fazer essas coisas exatamente como você e eu não precisamos pecar.

(Por que não somos fantoches amarrados por um mestre de marionetas divinas. Não somos escravos de um mestre. Nós somos filhos de Deus. Jesus nos chama de seus filhos e os filhos têm livre arbítrio. Algum pai, padrinho, avós tias, tios e praticamente qualquer um que tenha tido experiência com uma criança pequena instintivamente sabe que as crianças têm livre arbítrio. Tente fazer com que uma criança durma sua agenda, abrace com você quando quiser jogar, coma algo que não quer para, ou realmente fazer qualquer coisa que eles não querem fazer. Quão incrivelmente preciso Jesus é nos chamar de crianças!)

Talvez você e eu não lemos com essas mesmas coisas, mas Jesus conhece nossos corações. Ele sabe o que nos tenta especificamente, e Ele sabe que vamos pecar. Ele sabe, e Ele nos dá a chance de escolhê-lo, escolher o bem, escolher o difícil de qualquer maneira. Jesus mesmo foi tentado no deserto, então Ele sabe intimamente como é difícil resistir ao falso apelo do pecado. E mesmo que (e sejamos honestos, quando) falhamos, Ele nos dá a chance de voltar para Ele.

O amor, o arrependimento, voltando para Deus, é a mensagem central de todo o ministério de Jesus. É o núcleo de tudo o que Ele faz e prega. Toda ação, cada momento do ministério, implorou ao povo - pecador, espectador, amigo, inimigo, judeu, gentio - voltar para Ele com um coração arrependido. É tudo o que Ele nos pede quando pecamos, quando nós espiritualmente fugimos de Ele e de Sua vontade mais amorosa.

No entanto, ambos sentem remorso.

Judas Iscariotes, depois de aprender Jesus, está condenado à morte, lamenta a decisão. Ele retorna o dinheiro aos principais sacerdotes e fariseus, dizendo: "Eu pequei em trair sangue inocente" ( Mateus 27: 4 ). Simon Pedro, momentos depois de negar Jesus, ouve um corvo de galo. Ele é lembrado de sua traição e "começou a chorar amargamente" ( Mateus 26:75 ).

Pedro veio a Cristo, ouvindo Seu chamado de penitência e arrependimento. Só posso especular que Judas ficou atraído pela mesma mensagem. Ambos sabiam desde o início que Jesus era compassivo, indulgente, amoroso. Ele falou-lhes de parábolas de ir atrás da ovelha perdida, a moeda perdida, o filho perdido ( Lucas 15 ). Eles o ouviram pregar o perdão repetidamente. Eles o viram curar os pecadores repetidamente. Eles o viram assumir o mais pecaminoso e esquecido da sociedade repetidamente. Em certo sentido, Pedro e Judas tiveram que saber que Jesus os levaria de volta.

No entanto, um é o mesmo. No entanto, o outro volta aos outros discípulos, espera com eles com medo, corre para o túmulo vazio, encontra o Senhor, se arrepende, reafirma sua missão com nova dedicação, leva muitos à conversão e, finalmente, morre pela fé.

Qual é a diferença?

O que estava no coração de Pedro que o levou a voltar, arrepender-se, confessar tudo errado que ele havia feito? O que estava no coração de Judas que o impediu de retornar, impediu-o de voltar ao amor de Deus, fez-lhe pensar que o suicídio ao pendurar era a única opção que restava?

Podemos especular, mas somente Deus conhece os corações do homem, os corações de Judas e Pedro e o tempo de suas traições. Além disso, somente Deus pode julgar seus corações. Não podemos conhecer o coração de Judas quando ele se matou, e não podemos saber se ele estava condenado por seu pecado. Somente Deus pode julgar porque porque só Deus conhece as profundidades absolutas do coração humano.

Mas acho que Judas e Pedro tinham corações semelhantes, corações humanos falíveis como os nossos. Penso que as mesmas dúvidas que atormentaram Pedro foram as mesmas dúvidas que impediram Judas de voltar para Jesus e para os outros discípulos. Penso que a mesma fé que fez com que Judas devolvesse o dinheiro em arrependimento fosse a mesma fé que impeliu Pedro a chorar amargamente e depois esperava com os outros discípulos.



DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nenhum comentário:

Postar um comentário